Anjos da Nefrologia

Anjos da Nefrologia

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Quem está no grupo de risco para DRC?



  1. Hipertensos: A hipertensão arterial é comum na DRC, podendo ocorrer em mais de 75% dos pacientes de qualquer idade;
  2. Diabéticos: Os pacientes diabéticos apresentam risco aumentado para DRC e doença cardiovascular e devem ser monitorizados frequentemente para a ocorrência da lesão renal;
  3. Idosos: A diminuição fisiológica da FG e, as lesões renais que ocorrem com a idade, secundárias a doenças crônicas comuns em pacientes de idade avançada, tornam os idosos susceptíveis a DRC;
  4. Pacientes com doença cardiovascular (DCV): A DRC é considerada fator de risco para DCV e estudo recente demonstrou que a DCV se associa independentemente com diminuição da FG e com a ocorrência de DRC; 
  5. Familiares de pacientes portadores de DRC: Os familiares de pacientes portadores de DRC apresentam prevalência aumentada de hipertensão arterial, Diabetes mellitus, proteinúria e doença renal.
  6. Pacientes em uso de medicações nefrotóxicas: O uso de medicações nefrotóxicas deveria ser evitado ou otimizado nos pacientes com DRC, particularmente quando a FG é menor que 60 mL/min/1,73m2.

HIPERTENSÃO ARTERIAL

       Pressão Arterial é a força do sangue contra as paredes das artérias por onde passa o sangue que é bombeado do coração para todos os órgãos e tecidos. A hipertensão arterial, ocorre quando há um grande aumento da pressão já existente dentro das artérias do coração. Sendo a principal causa de DRC, segundo o Ministério da Saúde. 

                  Valores da Pressão Arterial

PAD
(mmHg)
PAS
(mmHg)
Classificação
80
120
Normal
81-89
121-139
Pré-hipertensão
90-99
140-159
Hipertensão estágio 1
100-109
160-179
Hipertensão estágio 2
110
180
Hipertensão estágio 3

Fatores de Risco (HAS)

  • Obesidade; 
  • Tabagismo;
  • Sedentarismo;
  • Estresse;
  • Alimentação rica em sal e gordura;

Como prevenir:

  • Mudança de Hábitos de vida;
  • Diminuir o consumo de sal, embutido e enlatados;
  • Reduzir o consumo de bebidas alcoólicas; 

DIABETES

       Diabetes Mellitus é uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue (hiperglicemia). Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas, pelas chamadas células beta. A função principal da insulina é promover a entrada de glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. A falta da insulina ou um defeito na sua ação resulta portanto em acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.

Classificação do Diabetes

       Sabemos hoje que diversas condições que podem levar ao diabetes, porém a grande maioria dos casos está dividida em dois grupos: Diabetes Tipo 1 e Diabetes Tipo 2.

Diabetes Tipo 1 (DM 1) - Essa forma de diabetes é resultado da destruição das células , pela formação de anticorpos pelo próprio organismo contra as células, levando a deficiência de insulina. Nesse caso podemos detectar em exames de sangue a presença desses anticorpos.

Diabetes Tipo 2 (DM 2) - Nesta forma de diabetes está incluída a grande maioria dos casos (cerca de 90% dos pacientes diabéticos). Nesses pacientes, a insulina é produzida pelas células, porém, sua ação está dificultada, caracterizando um quadro de resistência insulínica. Isso vai levar a um aumento da produção de insulina para tentar manter a glicose em níveis normais, surge o diabetes.

Diabetes Gestacional - Atenção especial deve ser dada ao diabetes diagnosticado durante a gestação. A ele é dado o nome de Diabetes Gestacional. Pode ser transitório ou não e, ao término da gravidez, a paciente deve ser investigada e acompanhada.

Como Posso Saber se Estou Diabético?

       O diagnóstico laboratorial pode ser feito de três formas e, caso positivo, deve ser confirmado em outra ocasião. São considerados positivos os que apresentarem os seguintes resultados:

  1. glicemia de jejum > 126 mg/dl (jejum de 8 horas)
  2. glicemia casual (colhida em qualquer horário do dia, independente da última refeição realizada (> 200 mg/dl em paciente com sintomas característicos de diabetes.
  3. glicemia > 200 mg/dl duas horas após sobrecarga oral de 75 gramas de glicose.

       Existem ainda dois grupos de pacientes, identificados por esses mesmos exames, que devem ser acompanhados de perto pois tem grande chance de tornarem-se diabéticos. Na verdade esses pacientes já devem ser submetidos a um tratamento preventivo que inclui mudança de hábitos alimentares, prática de atividade física ou mesmo a introdução de medicamentos. São eles:

(a) glicemia de jejum > 110mg/dl e < 126 mg/dl.
(b) glicemia 2 horas após sobrecarga de 75 gr de glicose oral entre 140 mg/dl e 200 mg/dl.

       O diagnóstico precoce do diabetes é importante não só para prevenção das complicações agudas já descritas, como também para a prevenção de complicações crônicas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário